Anel vaginal: quem pode usar?

O anel vaginal é flexível e transparente, mede cerca de 5 cm e foi confeccionado para se adaptar às curvas da vagina. Ele possui hormônios artificiais que, quando em contato com a mucosa vaginal, são liberados, aos poucos e continuamente, engrossando o muco cervical, tornando mais difícil a passagem dos espermatozoides. Também não permite a ovulação acontecer. É adequado para aquelas mulheres que têm tendência a esquecer de tomar regularmente as pílulas anticoncepcionais via oral. Para introdução do anel de silicone, dobra-se o produto e insere-o no fundo do canal vaginal. Essa ação é feita com a pessoa reclinada, deitada ou em pé com uma das pernas flexionada e elevada. O anel é mantido inserido na vagina por 3 semanas, ou 21 dias, e após esse período é necessário retira-lo e dar um intervalo de uma semana, que é quando ocorre a menstruação. Passados sete dias, introduza um novo anel e comece o ciclo novamente. O fluxo menstrual pode aumentar por ser um método anticonceptivo que atua a base de hormônio, todavia, na maioria das vezes, o fluxo é regularizado. É raro, porém pode ocorrer, durante a relação sexual, o deslocamento do anel vaginal. Neste caso é só retirá-lo, lavá-lo com água natural e introduzi-lo novamente. O prolapso de colo uterino, também pode propiciar seu deslocamento e até desconforto durante o rala e rola. A eficácia do anticonceptivo pode ser comprometida por interação com antibióticos, com exceção das drogas doxicilina e amoxicilina, segundo diversos estudos efetuados. Portanto, atenção à medicação que ingere. Já o uso de lubrificante íntimo e espermicida não interfere na eficácia do anticonceptivo, tampouco a prática de atividades físicas tais como: natação, agachamentos, saltos, alongamentos etc. O método é contraindicado para as mulheres que não podem fazer uso da pílula anticoncepcional de uso oral, ou seja, mulheres portadoras de diabetes, ou hipertensas, ou em casos comprovados de câncer de mamário, uterino, ovariano; além de portadoras de histórico de AVC (Acidente Vascular Cerebral), trombose venosa, Lúpus (doença autoimune) etc. Lembrem-se que é um método hormonal que pode produzir efeitos colaterais como ganho de peso, náuseas, aumento do fluxo menstrual e dores de cabeça. Percebendo quaisquer irregularidades, siga ao seu medico para escolha de outro método. Queridas, lembrem que este é apenas um método anticonceptivo. Ele não impede, não interfere e não é barreira para doenças sexualmente transmissíveis, portanto se ligue e se proteja, tendo sempre em mão um preservativo.