HPV

O Papiloma vírus humano, conhecido popularmente como HPV é uma doença sexualmente transmissível com mais de cento e cinquenta subtipos de vírus, O Papiloma vírus humano é transmitido por via sexual, sendo capaz de atacar pele e mucosas provocando verrugas na pele, genitais, câncer do colo do útero, de ânus, de pênis, de orofaringe ( boca e garganta). Estima-se que mais da metade da população sexualmente ativa mundialmente, possa ter tido contato com alguém infectado por algum dos diferentes tipos de papiloma virus humano, até as jovenzinhas que não tiveram sua vida sexual iniciada , são virgem, mas namoram ou se envolvem com sexo oral ou caricias mais intimas no anus e vagina podem contaminar-se, nestes casos o preservativo masculino minimiza o contagio, mas não o exclui, já que podem haver verrugas na área com pelo, na virilha, no ânus do namoradinho e parcialmente vestidos torna-se ainda mais dificl visualizar. A vacinação é um mecanismo de prevenção antes da entrada do vírus no organismo da mulher e da jovem, mas não substitui o rastreamento do câncer de colo de útero e exame preventivo já que a vacina não protege contra todos os tipos de HPV. Para mulher adulta e sexualmente ativa a vacinação faz sim a diferença em sua vida. Contudo, a atividade sexual está se iniciando cada ano mais cedo, sem a menor orientação, diálogo ou zelo dos pais e responsáveis, de muitas crianças em sua fase púbere, saibam que segundo a OMS, a educação sexual familiar e escolar, chega a retardar o inicio da pratica sexual, tornando o ator mais consciente e conhecedor dos riscos e consequência, de iniciar frivolamente qualquer ato sexual. Pensando nas consequencias danosas diversos países, há quase duas décadas , iniciaram a vacinação em jovens em fase pubere, primeiramente apenas meninas eram imunizadas, atualmente também os meninos o são aqui no Brasil. Entretanto como todo e qualquer medicamento há , em alguns pacientes, efeitos colaterais indo de vermelhidão, inchaço no local da injeção, dor de cabeça, febre, tontura e até consequencias mais danosas, como convulsão e episódio neurologicos graves. Na dúvida é importante que pais e responsáveis, antes de vacinar seus pequenos perguntem, investiguem, questionem e mais que nunca dialoguem com seus filhos, eles já são capazes de compreender os riscos e ter zelo com suas futuras ações.